Zeloso amor danoso

Ele resolveu colocar no vidro traseiro de seu carro: “Satanás quem me deu”.

Saiu. Poucos metros adiante já começaram os olhares. As vaias também não demoraram. Ele, porém, estava tranquilo, pois já esperava ânimos exaltados. Acreditava, todavia, que seria respeitado por expressar sua crença. “As pessoas não expressam”, pensava ele, “seu amor por Jesus e por Deus em seus carros? Porque não posso também eu expressar meu amor por Satanás?”.

Ele não viu de onde veio a pedrada que atingiu seu rosto. Mas foi tudo muito rápido: em segundos, após perder a direção e bater em um poste, foi retirado do carro e linchado. Durante o linchamento, ouviam-se gritos de “Deus é mais”, “Queima em nome de Jesus”, dentre outros.

Após o matarem, sirenes da polícia se ouviram. Todos correram, deixando o corpo para trás. O carro, danificado pela colisão, mantinha em seu vidro traseiro a mensagem de amor que gerou o ódio. E as duas filhas do falecido, que ele iria buscar na escola, terão de esperar por sua mãe.

Ódio em nome do amor.

Futuro ou Ilusão? Psicanálise, religião e mística – Freud e Bion

Segue em anexo cópia de minha monografia de conclusão do curso de Especialização em Teoria Psicanalítica, “FUTURO OU ILUSÃO? PSICANÁLISE, RELIGIÃO E MÍSTICA”.

Futuro ou ilusão – MONOGRAFIA FINAL PDF

Abaixo, o resumo da monografia.

“Este trabalho analisa o conceito de religião na obra de Sigmund Freud e o conceito de mística na obra de Wilfred Bion. O trabalho é feito por meio de pesquisa bibliográfica da obra freudiana e bioniana, bem como de comentadores destes dois teóricos. Busca-se analisar os conceitos de religião e mística na história, ressaltando a religião e mística cristãs, traçando um paralelo entre a teorização psicanalítica de Freud a respeito de religião e a teorização psicanalítica que Bion vai fazer a respeito da mística, acreditando que entre estes teóricos existem fortes pontos de contato no que se refere à visão de ambos dos conceitos de religião e mística. Observa-se que tais contribuições podem nos ajudar a quebrar paradigmas a respeito de como a psicanálise entende a religião e a mística. Entendemos que tanto a religião quanto a mística podem auxiliar o conhecimento psicanalítico em seu desenvolvimento enquanto ciência”.