Para além do simples ato de ouvir

Em minha pouca experiência (de clínica particular e de atendimento social) aprendi que a intuição é uma das ferramentas mais poderosas na escuta. Para se escutar bem ao outro é imprescindível escutar bem a si mesmo, ou seja, estar atento ao seu próprio insight acerca de algo narrado pelo outro. Aproximadamente um século antes de mim, Freud já chamava a atenção para a importância da intuição na prática da escuta, conceituando-a como atenção flutuante, que seria a disposição do analista de permitir que seu próprio inconsciente atue no processo de escuta do analisando. Dessa forma o analista se aproxima de um escutar desprovido ao máximo de seus próprios (pré)conceitos. Essa metodologia não se restringe a um contexto clínico, podendo ser utilizado em diversos outros contextos (terapia comunitária, escuta qualitativa social, atendimento familiar, dentre outros).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s